Fumblegame Parte 1 – Quero assistir jogos da NFL e não tenho nem ideia de como fazer!!!

By
Updated: December 11, 2013

É isso aí… Demorei a fazer esse post, mas agora vai!

 

Bem amigos do Fumblecast (ou inimigos, pouco importa), vamos contar um pouco da nossa experiência em NY com o foco em assistir um jogo da NFL. É preciso frisar que existem outras opções de cidades para onde você pode ir sem ter que pegar conexão (que eu particularmente acho um saco foda). Mas antes disso, vamos fazer na primeira parte um Post-Guia genérico para quem quer assistir algum jogo da NFL (ou até outro esporte, já que a maioria das dicas se aplica a quase todos os eventos nos EUA).

Partindo direto do Brasil (depende de qual dia da semana e de onde você partir, obvio), temos hoje , entre outras, como destino direto as seguintes cidades: Dallas, Houston, Atlanta, Miami, Orlando, NY e Charlotte (talvez tenha alguma outra, mas não me vem a cabeça).

Fora Orlando, que não tem estádio de FA, todas as outras têm estádios e/ou times de Futebol Americano.

 

Básico

Vamos ao básico:

Tens passaporte? Não? Site da PF!

Tens visto para entrar nos EUA? Não? Visto EUA

Tens cartão internacional? Não? Fale com seu banco!

 

Vamos que vamos

Caso você tenha chegado até aqui, considero que você já tenha passaporte e visto para os EUA.

Agora, prosseguindo : passagem aérea.

Busque seu bilhete ou em sua empresa aérea favorita ou procure pelas ferramentas de busca de viagens as passagens mais em conta para o seu destino e data. Você pode buscar pelo Expedia ou pelo Decolar (ou outros quaisquer de sua escolha). Um detalhe é que a decolar.com não mais exibe voos da American. Logo, caso lá tenha os voos mais baratos, você não saberá.

Dica: Ache o voo pela ferramenta de busca e vá direto no site da empresa aérea. Assim você não paga a taxa da Decolar/Expedia. HÁÁÁ!

Comprada a passagem, vem um grande problema para solucionar (pelo menos para mim): HOSPEDAGEM.

Eu sou extremamente paranóico com roubo em hotéis, localização e etc. Para buscar hotéis eu sempre utilizo o Tripadvisor e sempre verificando no Google Maps+Street View. Use-os como ferramenta de tomada de decisão, mas não acredite em tudo, pois nem tudo são flores mas já é uma mão na roda. Outra possibilidade que existe para hospedagem é o aluguel por temporada. Para quem deseja ir para NYC, saiba que é uma opção muito comum, dados os preços MEGAEXORBITANTES cobrados pelos hotéis em Manhattan. Eu mesmo aluguei um apartamento utilizando o Tripadvisor  na versão americana (necessário clicar na bandeira dos EUA, pois o do Brasil não há ainda esta opção). Outro site muito utilizado para isto é o Airbnb. Há vantagens e desvantagens nas duas abordagens (aluguel x hotel). Dêem uma pesquisada no que mais se encaixa em seu perfil. Sobre reserva de hotéis, além de Decolar e Expedia, temos o Hoteis.com, entre outros.

Voltando ao assunto de cartão, lembro-vos que a partir deste ponto você já deve estar de posse de um cartão de crédito internacional e/ou de um cartão de viagem pré-pago. Entre as opções de pré-pagos temos o Visa Travel Money, ou popularmente chamado de VTM (melhor cotação: Marsans no momento de minha viagem, mas pesquisem antes de fechar valores) e Mastercard Cash Passport. Nunca fiz o da Mastecard, mas já fiz o VTM algumas vezes.

No geral consiste em um cartão de débito/crédito internacional que é pré-pago, ou seja, você faz cargas em reais e automaticamente este valor é convertido para dólar turismo (ou outra moeda, como euro ou libra) do dia, diminuindo assim o risco de pagar via cartão de crédito com cotação alta (afinal, o dólar só sobe quando VOCÊ viaja! hehehe). Você pode usá-lo para pagar qualquer coisa que um cartão internacional paga e ainda pode sacar (mas tem taxa para tal, atente-se a isso). Você pode ainda comprar online com eles sem problema nenhum. Compre também dólar em espécie para pagar coisas como táxis, lanches, dinheiro do ladrão e etc… Não se esqueça de avisar ao seu banco / administradora de cartão sobre sua viagem para que não bloqueiem seus cartões pensando ser fraude.

Seguro saúde no exterior é importante também. Alguns cartões de crédito já tem, mas caso queira comprar um, você pode fazer com a Mondial Assistance, já que nem sempre podemos usar o “SUS” dos países (em alguns até pode, mas não dê sorte para o azar. E no caso dos EUA, cuidado pois não há saúde gratuita).

PS.: Esses seguros possuem verbas para vários outros problemas que podem ocorrer como prisão (adiantamento de fiança), extravio de bagagem e etc.

 

Resolvido isto, vamos ao que interessa: FOOOOTBALL!

Voltando ao futebol, você pode comprar os ingressos das partidas da NFL pelo próprio site da NFL. MAAAAAAS como nada é tão fácil, às vezes você terá que comprar tickets pelo Ticketmaster, entre outros. Mas o pior pode acontecer: não existir mais ingressos do jogo que você quer. E agora? Você pode comprar os tickets pelos exchanges de tickets (cambistas oficiais, hehehe), como no NFL Exchange e Stubhub. Lembrem-se que TODOS estes sites são em inglês e seu ingresso é garantido, mesmo sendo de um terceiro (vem em nome de outra pessoa). Antes de comprar seu ingresso, atente-se ao fato de comprar como INGRESSO ELETRÔNICO, já que você está em outro país e pode atrasar ou extraviar a entrega de ingresso físico.

Eu comprei meus ingressos eletronicamente via Sutbhub, imprimi aqui em casa e não tive nenhum problema (apesar dos ingressos estarem com nome de um outro sujeito, hehehe). Os ingressos eletrônicos vão em nome do primeiro comprador (caso você compre no Exchange, irá o nome da outra pessoa, mas não tem problema). Stubhub e Ticketmaster vendem ingressos de praticamente TUDO, até shows e outros esportes. Caso você queira assistir Baseball, NBA ou Hockey, vá ao site das ligas e procure informações específicas (como temporada e coisas do tipo), mas pela Ticketmaster e Stubhub você sempre acha alguma coisa. Existem outros obviamente, mas não tive experiência com eles.

 

Deslocamentos 

Resolvido isso, seu programa já está bem bacana, mas faltou aí uma parte importante (e às vezes desprezada): o deslocamento. Os EUA, assim como o Brasil, são um país muito grande e tanto lá quanto cá, a turma gosta de dirigir. E isso causa um stress para quem não dirige (meu caso). Como fui para NYC, onde tem metrô absurdamente espalhado por todo lado e trens integrados até o Metlife Stadium, quase não peguei táxi. Mas isto não é uma realidade nos EUA em geral, pois é um país basicamente motorizado.

Apesar disso, eles tem uma malha ferroviária muito boa, mas ainda não há até este momento trens de alta velocidade. O site da AMTRAK pode te ajudar a decidir se você vai pegar trem ou não (e para onde). A AMTRAK é uma companhia de trens de passageiros com opções bem confortáveis (inclusive wi-fi). Mas caso você queira percorrer grandes distâncias rapidamente e pagando “pouco”, por lá existem as empresas aéreas (REAAALLY) low-cost como Southwest e Jetblue. Os voos são baratos, mas eles cobram praticamente por tudo. Se você estiver com pouca bagagem, é válido.

Para alugar carros, por lá têm as mesmas daqui, como Avis e Hertz.

 

Compras

Dica: se você tem pouco tempo de viagem e já sabe o que quer comprar, compre ONLINE! Sim! Tanto lá quanto cá, por maior que seja a loja física, a loja online é sempre maior. Claro que para roupas ou algo que você queira experimentar não se aplica, mas coisas como CDs, Blurays e DVDs, até mesmo camisas de FA (se você já souber seu número), compre online. Se você for ficar uma semana ou menos, atente-se ao prazo de entrega. Se for mais, não terá muito problema, pois as entregas gratuitas são sempre em mais ou menos uma semana útil. Se for o caso, pague o frete expresso (não são tão caros, algo entre U$ 10 e US$ 15), mas não perca o tempo de sua viagem comprando coisas que você já sabe PERFEITAMENTE como funciona.

(Informe-se antes se o hotel/imóvel alugado permite receber correspondências e encomendas)

 

Comunicação

Como eu sou um nerd incurável, acho indispensável pegar um chip (simcard) para comunicação de voz e dados. Na AT&T (operadora GSM de 3G e 4G), você consegue um plano pré-pago por US$ 40 por mês, com 500 mb e 200 minutos de ligação. Para ligar para o Brasil tem que pagar um a mais, mas você pode usar wi-fi, já que pelas operadoras americanas você não pode fazer Tethering (não sem pagar), nem usar  o Facetime do Iphone. Mas o Viber chegou a funcionar, mas depois barrou. Com 500mb iniciais (5$ para cada 100mb adicional, que você pode recarregar em máquinas), você consegue usar o google maps tranquilo para se guiar pela cidade e com 200 minutos para falar para todo o país (EUA). Você pode ligar para pedir ajuda (emergência), táxi, solicitar informações e etc. Acho muito justo. Mas geralmente nos EUA os estabelecimentos oferecem wi-fi, inclusive o Subway (metrô de NYC) , a Macy’s e a Starbuck’s. Por US$ 40, acho um valor razoável, pois eu usei quase meu pacote de dados todo e liguei bastante.

 

Embaixadas e Consulados Brasileiros

SEMPRE, eu digo SEMPRE tenha o endereço e os telefones da Embaixada ou Consulado Brasileiro (ou do seu país caso você seja estrangeiro) à mão, pois caso você seja furtado, você pode solicitar ajuda (que eles provavelmente não darão, mas pelo menos um passaporte emergencial você terá). Neste site estão listadas todas as representações brasileiras no exterior. Tenha à mão as próximas ao seu destino.

 

Bem galera, por enquanto é isso. Estarei fazendo a continuação deste Post mais a frente falando em como e o que fazer em NYC.

Mas o próximo é o motivo, a razão da existência desta série de posts: Fumblegame!